31 janeiro 2011

Crônicas do metrô.

Rio de Janeiro, segunda-feira, sete horas da noite e um calor infernal- acredito que nem o capeta conseguiria agüentar esse calor- o metrô lotado.Não sei se você já observou,mas,quando o metrô está lotado é meio impossível não escutar a conversa alheia.

Hoje eu escutei duas mulheres conversando e achei interessante compartilhar isso. Imagine um vagão MUITO LOTADO- aquele que você entrou numa posição e fica nela até chegar a plataforma- duas mulheres estavam conversando, até ai tudo bem, só que: a história era bizarra.Era sobre um garoto que não tinha pelos,isso mesmo,ele tinha 17 anos e não tinha pelo nenhum.Quando eu escutei isso eu imaginei um alien com a pele cinza. Hahaha

Enfim...

O interessante dessa história era o jeito de falar das duas senhoras. Percebi que ambas não dominavam a normal culta da língua portuguesa, gostavam de ir ao baile funk no sábado, no domingo iam ao pagode e na segunda ainda tinham pique para pegar no batente... Não sei como consegui pegar todos esses detalhes apenas observando, mas, o metrô é uma bela crônica. Lá pessoas de todas as classes se encontram: desde o estudante de medicina até o faxineiro de um grande escritório... É, viva a diversificação social.

Ana C.

OBS: A próxima vez que você usar o metrô: observe as pessoas.

5 comentários:

Daniel C. disse...

alien cinza kkkkkkkkkkkkk xD

Érica disse...

Isso me fez lembrar de um juiz de futebol que tinha mesma doença. Acho que ele participou de uma Copa...

Henrique disse...

Não esqueça do faxineiro do estudante de medicina \o

Louis Beau Pre disse...

Ninguém usa a forma culta da lingua portuguesa no dia a dia dããã
Putz elas não tinham mais nd de interessante pra falar?

Mizia disse...

Ana,pegue um taxi!