25 janeiro 2011

O que é o futuro para você?





Já imaginou se seus cantores e bandas favoritos fossem substituidos por cantores e bandas holográficos?
Sinceramente, acho que isso não iria para frente. O fã gosta de ver o "ídolo", tocá-lo, para ter certeza de que é real. Que graça teria um... boneco (?) - que se movimenta e canta, como um humano - em cima de um palco? Qual é o problema com o mundo, não há mais cantores de qualidade nos dias de hoje? A situação está tão crítica assim, a ponto de substituirem pessoas de carne e osso por efeitos de computador, ou seja lá o que isso for? Afinal, onde está a essência da música?

Érica A.

7 comentários:

Fábio Vale disse...

Talvez a música esteja tão banalizada que os japoneses tiveram a sacada de criar uma cantora virtual para que pudesse haver algum diferencial. Mas, pensando bem, a sacada não foi bem deles... Alguém aí lembra do Gorillaz?

Com relação a "que graça teria um boneco que se movimenta e canta como um humano", acho que a mesma graça que um desenho animado. Desenhos animados não são menos interessantes e nem uma versão inferior aos filmes (da mesma forma que um filme não é inferior a uma peça de teatro). Antes que me condenem dizendo que desenho é coisa para criança, procurrem assistir os excelentes "Persepolis" e "Mary & Max", animações feitas para adultos com personagens (não atores) humanos.

Mais um ponto: existem músicos por trás dos bonecos. Trata-se de uma arte composta. A essência da música (aliás, qual é a essência da música?) está lá. Afinal, há alguem cantando e tocando, ainda que sob a roupagem da animação. Essa tecnologia, mesmo que dispensável para a música, serve de chamariz, assim como as mini-saias, shortinhos e decotes de um monte de cantoras que temos por aí.

Quando a internet começou a se popularizar, as relações virtuais eram vistas com grande preconceito. Dizia-se, entre outras coisas, que as pessoas gostavam "de se ver, de se tocar, de ter certeza de que o outro era real". E olha nós aqui...

Érica disse...

Verdade, interessante o seu comentário. Mas, ainda assim, não consigo ver a mesma graça na música, dessa forma. Existem, claro, pessoas dando voz àquelas bonecas, mas por que, então, elas mesmas não se apresentam, pessoalmente? Como você disse, eles resolveram mostrar um diferencial.

Eu digo que a música perdeu a essência porque, como a gente pode perceber hoje, as de maior sucesso são as eletrônicas, as que têm os instrumentos substituidos por sons semelhantes (como o teclado que toca até bateria) - vários instrumentos em 1. Isso provoca a desvalorização do músico: mais uma vez, o trabalhador sendo substituido por máquinas que exercem o seu trabalho.

Não acho que os desenhos sejam tão semelhantes a essa situação, pois nós temos consciência de que desenho está só na tv e não vai sair de lá, a não ser que seja na forma de cosplayer. Nesse caso, é diferente: aposto que os japoneses pagam uma nota para assistirem a uma boneca levando fama por ser 'perfeita', utilizando a voz de um cantor de verdade, que poderia estar no lugar dela, tendo o próprio sucesso...

Ana C. disse...

Olha,essa boneca japonesa está na mesma situação que as cantoras indianas.Por causa da religião,elas não podem aparecer em clips na tv e nem nos shows,elas apenas fazem as gravações e contratam uma modelo para ''representa-las''.Vai ver essas cantoras japonesas não se sintam ''perfeitas'' para a mídia e colocam bonecas no lugar...Vai saber.

Fábio Vale disse...

Eu gosto muito da música "Clint Eastwood" do Gorillaz, mesmo que seja veiculada por desenhos animados - mais até do que muita música de gente de carne e osso por aí. Realmente essa da japonesa é muito fraquinha, mas japonês é assim mesmo - adora tecnologia e essas músicas que parecem ter sido feitas para video-games. É da cultura deles. Respeite-se. Quando pintar um samba cantado por um desenho, a gente vai ter mais gabarito para avaliar a qualidade.

Concordo com a Ana quanto ao motivo. De repente as pessoas que estão por trás da animação não tem o "carisma" que hoje é necessário para se fazer sucesso e meteram essa animação para chamar a atenção (e a boneca é até carismática). Vamos concordar que eles foram muito eficientes na sua empreitada.

Justamente por isso podemos perceber, então, que a essência da música já há muito se perdeu e que essa nova onda, se vingar, é tão-somente uma demonstração disso. Cantoras, hoje, para fazer sucesso, tem que ser bonitas, usar mini-saias, dançar e fazer mil piruetas, se encher de álcool e drogas... A música acaba ficando em segundo plano.

Naturalmente, há exceções. Procure escutar a música "What a wonderful World" na versão de Israel Kamakawiwo'ole (melhor copiar e colar...) ANTES de procurar conhecer a aparência deste havaiano de nome esquisito.

Com relação a comparação com o desenho animado, também pagamos ingresso nos cinemas para ver desenho animado. Eles sabem que estão pagando para ver uma boneca. Eles não querem a música (somente). Eles querem o espetáculo tecnológico. E cada vez mais os shows são espetáculos tecnológicos e/ou pirotécnicos. Música somente, sem ser no MP3 ou no rádio, só mesmo no barzinho. E mesmo assim, de um modo geral, a música só serve de pano de fundo para a maioria...

Para terminar, acho tão complicado condenar a eletronização da música como seria condenar o fato de ouvirmos música de CD e não de vitrolas (ou, antes disso, de vitrola ao invés de ao vivo). Para fazer música você conjuga uma série de sons de uma determinada forma que lhe soe harmônica ou coerente. Se determinado som veio da garganta, de um violão ou de um teclado, que diferença faz, se o som for o mesmo? O instrumento é, como o nome diz, meramente um instrumento para se produzir sons. Se mais de um instrumento é capaz de produzir um mesmo som, use-se aquele que melhor lhe apetecer. Até porque, à exceção de num lual ou numa rodinha de violão com os amigos, TODOS as músicas que escutamos são eletrônicas. Elas são produzidas pelos potentes amplificadores dos shows, pelas caixas de som dos nossos aparelhos ou mesmo pelos nosso singelos fones de ouvido.

Talissa disse...

Que idéia de girico =O
se é pra ser assim,é mais fácil assistir pela tv do que pagar ou correr o risco de ser pisoteada pela multidão só pra ver hologramas =s

Mizia disse...

bom...tem gente que gosta de restart,tem gosto pra tudo,né?

Louis Beau Pre disse...

hum... eu adoro Gorillaz, e como o Sr. Vale disse tem pessoas por trás desses ''bonecos'', acho que eles não aparecem pq talvez sua aparência não seja '' comercial'' hoje em dia a imagem é tudo o que é uma pena pq nem sempre beleza está associada a talento.