28 dezembro 2012

Um poema que não é sobre o amor


Acho que hoje chove
O céu está ficando escuro
E o vento está mais forte
Acho que hoje chove
Chove para limpar a alma do mundo
Acho que hoje chove
E depois da tempestade
Um novo dia irá chegar
Boas novas em ritmo de bossa nova
Pois é, acho que hoje chove

Ana C.

Para ler escutado:

25 dezembro 2012

O chão vai tremer e o seu cu também

Já é natal na Leader Magazine, sua vizinha já cantou parabéns para Jesus e colocou Simone- Então é natal para tocar. Aproveitando esse clima natalino, o aniversário do nosso amigo Jesus Cristo- o primeiro comunista da face da Terra- eu fui analisar a letra da banda evangélica Toque no Altar- O chão vai tremer e fiquei com medo do Deus deles. Vamos a análise:

1- O chão vai tremer. Que porra é essa? Terremoto? Os asiáticos não curtiram isso. Imagina, você está andando na rua e o chão começa a tremer. Prédios irão cair, crateras serão abertas  nas ruas e tudo ficará um caos. Ou seja, devemos desconfiar da vinda desse Deus. Já estou com medo.


2- A descrição de Deus na canção: Ele vem cavalgando nos montes com seus pés de latão reluzente. Homem de Ferro é você? Ele tem os olhos de chama, voz de trovão e uma espada AFIADA de dois gumes. Ok crianças, run to the hills porque deu merda. Deus não é aquele cara bonzinho de barba branca que você imaginou ser. Esse é o papai Noel. Ele tem 7 espíritos atrás dele, seria um necromante? E ainda fecha portas que ninguém abre e abre portas que ninguém consegue fechar depois, privacidade pra que né?

3- Além disso, o céu vai se abrir e anjos irão subir e descer. Vai virar a maior zona. Um Deus que parece o Sauron está vindo com 7 espíritos, abrindo portas, o chão tremendo, seres celestiais descendo e subindo... Ou seja, FIM DO MUNDO.


4- Uma imagem de Deus que está na descrição da música:

5- Eu não quero que Deus venha porque vai ser a destruição do mundo. Gente, preparem o abrigo de vocês e se arrependam dos seus pecados porque Deus ta puta revolts. Fodeu galera, agora tenho que ir porque o chão começou a tremer.

Ana C. 
Para provar que eu não estou mentindo, para ler escutando:


22 dezembro 2012

Quando o lobo matou o cordeiro de Troia

Todo cuidado do mundo 
Quando o cordeiro mostra a sua face de lobo
A inocência deve ser deixada de lado porque a  vida é uma guerra
Precisamos manter sempre a atenção e desconfiar de quase tudo
Elis Regina estava certa quando disse: Cuidado meu bem, há perigo na esquina
Não acreditei nela
Tive que enfrentar o falso cordeiro
As máscaras caíram 
Falsidade e esperteza foram postas na mesa
Meu destino foi traçado e eu descobri em quem poderia confiar
A criança que existia em mim teve que ser sacrificada
Agora estou calejada pela vida e sei que o homem é o lobo do homem
Se você leu estes versos até o fim, um conselho: todo cuidado com o falso cordeiro.

Ana C.
Mantenha sempre a lamina da sua espada afiada.

Para ler escutando:





20 dezembro 2012

Depois da tempestade: Conversada dadaísta parte 2


Sobrevivente 1: Traz um Big Mac?

Sobrevivente 2: Sim e vamos rir porque estamos precisando.

Sobrevivente 1: Porque eu não ando muito afim de chorar minhas angustias não.

Sobrevivente 2: Um dia você acorda e percebe que tristeza não serve de nada. Gente triste é um pé no saco. Tem que levantar o corpo do chão, sacudir a poeira e voltar a sambar na sociedade.

Sobrevivente 1:Sim, exatamente assim. Sua tristeza não vai fazer as coisas mudarem. Só vai fazer você ficar perdendo tempo no drama.

Sobrevivente 2: Alegria, Alegria. Como diria Caetano.

Sobrevivente 2: Sabe, você pode ficar triste mas não pode deixar isso tomar conta de você.

Sobrevivente 1:Eu sei. Eu tinha deixado isso me dominar e fiquei com medo de enlouquecer mas depois você leva tudo ao limite e as coisas melhoram.

Sobrevivente 2: A vida continua uma merda mas a gente vai tentar viver essa merda da melhor forma possível.

Sobrevivente 1: A vida sempre foi uma merda mas a graça é cair na merda e rir disso, cara. Imagina, jogar merda no amiguinho e rir da cara dele. A graça é rir porque ta na merda.

Sobrevivente 2: Dizem que é sorte pisar na merda né?

Sobrevivente 1: Então, eu sou a pessoa mais sortuda do mundo porque vivo na merda. É merda pra todo canto, parece até a tsunami de merda que teve em Niterói.

Sobrevivente 2: Imagina, você ta andando na rua e de repente do nada vem uma onda de merda e bate em você.

Sobrevivente 1:E você é levado pela merda. Risos.

Sobrevivnte 2: O meu óbito seria: Morreu de nojo.

Sobrevivente 1: Eu não sei o que faria se uma onda de merda aparecesse. Acho que iria rir.

Sobrevivente 2: Eu iria sentir nojo antes dela me tocar.

Continuaram comendo normalmente depois dessa conversa escatológica.

Ana C e sobreviventes.
Para ler escutando:


17 dezembro 2012

Diálogo entre duas dadaístas


Sobrevivente 1: Quando você sente que seu mundo ta caindo, o que você faz? O que você faz quando acha que agora todo mundo mente?

Sobrevivente 2: Me isolo.

Sobrevivente 1: E para passar a dor?

Sobrevivente 2: Não tem como passar a dor. Mas se você faz coisas que gosta com quem gosta ameniza.

Sobrevivente 1: Se o mundo acabar dia 21 eu nem iria ligar. Resolveria tudo.

Sobrevivente 2: Eu tava pensando assim também. Se o mundo não acabar eu vou ter mais problemas.

Sobrevivente 1: E vai rolando, rolando, a bola de neve vem vindo e derrubando tudo pelo caminho. No final acaba em explosão de fogos. Dadaísmo as avessas.

Sobrevivente 2: O mundo podia rachar.

Sobrevivente 1: Imagina? Cada um para um lado. Tudo dividido. Espero que o povo filha da puta fique do outro lado e do meu lado só fique quem eu gosto.

Sobrevivente 2: Só que não né? Todo mundo iria cair num buraco de lava vulcânica e queimar

Sobrevivente 1: Ai eu poderia plantar algodão doce porque plantei amor e colhi tristeza. Vai entender.

Sobrevivente 2:E aquele lance de colher o que plantamos?

Sobrevivente 1: Não sei onde fica. Acho que vou viver até os 27 anos se o mundo não acabar. Com 27 eu desço do mundo.

Sobrevivente 2: Não adianta você ser bom, ninguém se importa. Sempre o outro vai ter a chance e você nunca.

Sobrevivente 1:Traz a cerveja. Beber cura as dores por um tempo. Acho que vou passar o tempo todo bêbada.

Sobrevivente 2: Se o inferno é você ficar presa num lugar todo branco com todas as coisas/pessoas/situações que você evitou encarar durante a vida? E só sai de lá quando resolver tudo. Imagina! É tipo ficar preso com todos os seus fantasmas, tudo o que doí. Será que o inferno é isso? Eu teria medo.

Sobrevivente 1: Não sei. Acho que o inferno é onde nós vivemos. Por mim pode tudo virar bosta. Tudo. Vão dizer que nossa conversa é pessimista.

Sobrevivente 2: Sim, todos só dizem que eu sou pessimista ultimamente.

Sobrevivente 1: O problema é que as pessoas vivem na ilusão. Nós encaramos a realidade de frente. Tem que ter coragem para isso. Podem dizer que eu enlouqueci. Eu não enlouqueci, eu plantei amor e colhi dor, simples assim. Antes tivesse plantado maconha.

Sobrevivente 2:Agora além de maconha você estaria rica porque maconha ta cara a beça.

Sobrevivente 1: E anestesiada.

Soltaram a velha risada dadaísta e continuaram o caminho.


Ana C e sobreviventes.

Para ler escutando:

12 dezembro 2012

Café com Rivotrill.

Ontem a noite me disseram que eu estou maluca, paranoica, surtada... Se ser louco é levar todos os sentimentos ao limite, sim, então eu enlouqueci. Acordei de manhã e contaminei o meu café com vinte gotas de Rivotrill. Se é para ser louco que seja com classe. Agora estou esperando alguém me levar para o Rehab. Nesse momento, estou presenciando a alegria dos desesperados, aquela que só aparece para quem já não liga para mais nada, simplesmente deixa tudo fluir e seguir como deve no ritmo do Universo. Acredito que todos deveriam experimentar esse meu estado de loucura porque é algo libertador. Um belo dia você acorda e decide passar de todos os seus limites, quebrando as barreiras e deixando de lado uma vida de medos que poderia te levar para algo pior que a loucura. Agora sou eremita, vou vivendo por ai e deixando as coisas acontecerem, não me preocupo  mais com nada. Vou mostrando como eu sou e vou sendo como posso... Quem sabe um dia eu consiga descobrir o que seriam aqueles vestidos de luneta dos Novos Baianos.

Ana C. A louca.

Para ler escutando:

02 dezembro 2012

Um título importante para você clicar


Não
Tenho
Nada
Para escrever
Queria
Apenas
Mostrar
O Layout
Novo do blog
Escrevi assim para parecer chique
E para você achar que é algo importante
Pois é, boa noite.

Ana C.

Para ler escutando:

20 novembro 2012

Quando eu acendi um incenso e escrevi filosofia.

Conviver com o outro é sair do seu mundo e se aventurar em um lugar desconhecido. No começo, pode ser complicado, mas com um pouco de paciência você irá conhecer quase todo o território. A melhor maneira de começar a exploração é utilizar a paciência, ela será a sua proteção nos dias difíceis. Mais a frente na caminhada, você irá precisar da compreensão, nem sempre você irá saber tudo que está presente no terreno e algumas vezes pode cair em armadilhas. Caso isso aconteça, você irá precisar do tempo, que tal arrumar um relógio? Depois de alguns dias ou meses, você pode não compreender totalmente o novo mundo, irá estar machucado, confuso... Mas o que vale é a aventura. Tente sempre pensar: ainda não fazem pessoas de algodão.
Ana C.

Para ler escutando:

17 novembro 2012

Come on baby light my fire


Cabelo
Marca de batom
Arranhões
Coxas
Dedos
Suor
Gemidos
O frio lá fora
O calor dentro de nós e no quarto
Lençol
Cama
Na vitrola The Doors
Drogas 
Apenas uma noite mas a melhor noite da minha vida

Ana C.
Para ler escutando:

11 novembro 2012

On the road.





Me joguei na vida
Deixei tudo para trás
Conforto, amigos, amores, família
Estava me sentindo sufocada dentro de minha própria vida
Um inferno astral sem fim
Desiludida, deixei de acreditar no que me falavam
Apenas palavras vazias que não iriam me ajudar
Com apenas R$60 no bolso e um copo de café
Comecei a caminhar, sem rumo, sem pensar em nada
Parecia que cada pedaço meu estava se renovando
Trocando de pele
Mas ainda não me sentia segura para sair do meu casco
Acho que nunca mais irei sair dele
Não superei os traumas que passei
Em cada pessoa vejo uma nova possibilidade de me foder de novo
Sei que isso é errado mas talvez um dia melhore
Enquanto isso... On the road.


Ana C.

Para ler escutando:

06 novembro 2012

No Happiness

Queria ter uma máquina para poder consertar todos os meus amigos. Se pudesse, colocaria cada um deles lá dentro e eles só iriam sair de lá depois que cada ferida fosse curada. No início, eles poderiam ter medo  mas no final iriam ver que o procedimento valeu a pena. Acho que o planeta Melancolia chegou derrubando a todos, pior que o furacão Sandy nos Estados Unidos. De repente, todo mundo ficou triste e eu não posso fazer nada para ajudar, apenas deixar o meu ombro para eles chorarem enquanto descansam a cabeça para a próxima batalha. Não sei em qual lugar a nossa alegria foi perdida mas ela está precisando voltar, não quero mais ver  tristeza nos olhos daqueles que eu amo. Peço desculpas a vocês por não ter uma fórmula que resolva todos os problemas, o máximo que eu posso fazer é dizer algumas frases clichês e sábias palavras adquiridas de duras experiências nesses 21 fucking years old. Quer saber? No final, nós iremos sobreviver a tudo isso, nossa armadura será melhorada e iremos esbarrar com a alegria em alguma mesa de bar da Lapa.

Ana C.

03 novembro 2012

65 dias com ela


Sou poesia
Sou poeta
Sou...porque te encontrei
Antes, era apenas um trecho qualquer de um poema inacabado de Vinícius 
Agora eu sou amor
Mesmo que não seja teu
Minha essência é essa
Aliás, sua presença me fez sair do vazio existencial
Me mostrou o lado boêmio da vida
Arrebentei as cordas do violão
Mudei de tom
Vivi como um personagem das crônicas de Bukowski
Sambei com Amelia pelas ruas da Lapa
Me machuquei
Me revoltei
Tive sentimentos contraditórios
Amor e raiva
Alegria e tristeza
Você é uma pessoa agridoce
Não é comum
É única
E importante para mim, mesmo que eu não a tenha da forma que quero
Afinal, para que essa possessividade toda ?
As pessoas são livres 
E você está comigo por querer
Iremos seguir nessa estrada por pelo menos 203 estações do metrô
Entre tapas e ofensas 
Risos e empurrões
Somos assim e isso é bom
Sem rótulos
Sem fim
Como esse poema

Ana C.

Para ler escutando:

30 outubro 2012

Um poema, um cigarro, um violão.


La vem você com a sua aflição
Passos largos
Em direção a mim
Lábios avermelhados
Cigarro na mão
Por trás da sua aflição existe uma beleza, menina
Uma beleza que você destrói com as drogas que consome
Será que você não percebe que é a mais linda daqui?
Um tom angelical, único
Você tem força
Oh, se tem menina
Força para destruir quem você quiser
Conquistar quem você desejar
Ir para qualquer lugar
Digo essas palavras, menina
Não porque quero você
E sim porque você merece muito mais
Por de trás dessa aflição existe uma beleza
Uma beleza que deixa esse poema sem fim

Ana C.

Para ler escutando:

22 outubro 2012

Me mordo de ciúmes



Ciúmes: sentimento que só vem para te deixar em um momento serial killer e consumir a sua mente com ideias que não tem o menor cabimento. Todo mundo sente ciúmes,  desde o papa até o velho punheteiro da padaria. O ser humano está destinado a essa sina que no meio de uma tarde faz você achar que o seu primo comunista da Bolívia está comendo a sua namorada enquanto eles escutam Bob Marley. Sentir ciúmes as vezes é bom mas, em certos momentos pode fazer com que você pense que está namorando a Bruna Surfistinha e que está sendo corneado até com o pastor da igreja que dirige um camaro amarelo. A minha vivência de 21 fucking years old nessa grande bola azul chamada Terra  me fez perceber que não adianta nada você sentir ciúmes, fazer cena, espernear, dizer que vai se matar, ameaçar de morte o ser amado, contratar detetive e etc... Se você tiver que ser traído, acredite, você será. Boa Noite. 

Ana C.

07 outubro 2012

O copo para não ter um corpo

Transformei as esperanças
Em um copo de vidro
Arremessei no chão
Recolhi os cacos
E joguei no lixo 
No começo é estranho
Aquele gosto amargo fica pela boca
A dor do estômago revirando
A raiva
Mas quer saber?
Tudo passa
E a vida segue.

Ana C.
Para ler escutando:

05 outubro 2012

Lenine...

descrevendo a minha vida. Irei utilizar as palavras dele hoje:

Vai ver se eu to lá na esquina
Devo estar!
Tchau
Já deu minha hora
E eu não posso ficar
Tchau.

23 setembro 2012


Nós aqui andamos com os corações na mão e esperamos que algum dia alguém cuide dele
Nós que aqui vivemos catando os seus cacos do chão
Sempre acreditando que da próxima vez irá dar certo
Desejando afeto e não só desejo de atenção
Somos sonhadores
Acreditamos no Amor
Amor, esse que só provoca as nossas chagas
Nós cegos sonhadores
Trovadores solitários da estrada da afeição
Até quando suportar isso?
Até quando viver acreditando que uma hora nossos corações não serão pisoteados, destruídos?
Até quando ser deixado de lado?
Até quando depositaremos as esperanças nas pessoas erradas?
Até quando...
Somos sonhadores, trovadores, poetas, amantes e sofredores
Somos, apenas... somos
E mais nada importa.

Ana C .




Para ler escutando:

A white blank page and a swelling rage, rage
You did not think when you sent me to the brink, to the brink
You desired my attention but denied my affections, my affections

So tell me now where was my fault, in loving you with my whole heart?
Oh tell me now where was my fault, in loving you with my whole heart?


18 setembro 2012

I walk alone.

 '' The times they are a- changin'' era o que ecoava dos meus fones na voz rouca de Dylan. Como um Mr. Tambourine Man sem rumo, sem sono e sem nenhum lugar para ir, seguia por mais uma caminhada ao sul de lugar nenhum. Conseguia alcançar a paz espiritual a cada novo passo, era como provar um pedaço do paraíso. Não me importava o rumo que eu estava tomando ou quem passava por mim no caminho, apenas queria seguir aquela estrada sem rumo e simplesmente esquecer de tudo que me sufocava.

 Não sou o tipo de pessoa que gosta de encher os outros com os meus problemas. Ninguém é um mural das lamentações e  um drama exagerado digno de uma Paola Bracho não faz o meu tipo. Deve ser por isso que eu escrevo, em poucas linhas consigo sintetizar o que está escondido por trás da sombra de um sorriso.

Cheguei à conclusão de que estou destinada a seguir só por essa vida- sim, nos meus textos eu tenho o direito de fazer drama- porque esse é o meu estado de espírito atual: alone.  Acho que sempre irei caminhar por essa estrada vazia dos sonhos destruídos e minha única companheira será a minha sombra. As vezes eu apenas desejo que alguém me encontre e me faça mudar de rumo... enquanto isso não acontecer eu irei andar por ai, caminhar no sul de lugar nenhum.


Ana C.


Para ler escutando:

09 setembro 2012

19 agosto 2012

Notas em um rodapé.

Ando com O vento, por ai, sem saber ao certo para onde vou. Mudo de acordo com a velocidade que ele bate em meu corpo. Por que continuar sempre com a mesma rotina se essa vida é passageira? Viver presa em amarras, prisões, nunca foi o certo para mim. As minhas ideias mudam o tempo todo, sou a personificação da metamorfose ambulante de Rauzito. Passo por ai como o vento, vivo a minha vida como ele. Algumas pessoas me criticam por ser assim, mas afinal, o que seria a nossa vida se não um pequeno sopro? Quando você para e analisa, ela já terá acabado.

Para ler escutando:




Ana C.

06 agosto 2012

White Album


Você estava sentada no tapete da sala, apenas de calcinha e sutiã, cabelo curto, escuro, alargador, fumando um cigarro e mexendo nos meus discos. Depois de um tempo você escolheu o White album dos Beatles. John e sua banda começaram a cantar, o som ecoava pela sala, o sol entrava pela janela e você dançava no tapete.
Observando tudo aquilo do corredor, percebi que tinha dormido com uma deusa grega, eu tive sorte desta vez. Cheguei por trás de você, coloquei as mãos na sua cintura, lhe dei um beijo, deitamos no tapete e começamos a relembrar a noite passada.

Ana C.

Para ler escutando:

01 agosto 2012

Um dia

A fumaça saia suavemente da minha xícara. Um café negro misturado em algumas gramas de açúcar. O dia já estava amanhecendo, acendi um cigarro e olhei pela janela. A vida estava voltando para as ruas. A luz do sol batia no asfalto e esse fenômeno fazia com que a vida noturna fugisse para os becos.
Comecei a planejar o meu dia, tinha várias coisas para fazer e a vontade de executar era mínima. Não durmo direito há algumas noites e agora estou me sentindo como um zumbi.
É... acho melhor ir buscar outra xícara.


Ana C.

19 maio 2012

Vai buscar Dalila


Eva entregou a maçã do pecado para Adão, Dalila traiu Sansão... as mulheres estão sempre abalando as nossas vidas. Viemos delas, convivemos com elas e na hora que o tesão aparece queremos voltar de onde viemos. Pergunte para qualquer homem nessa sala '' quem nunca teve problema com as mulheres?'' ou '' quem entende as mulheres?''. Acho que elas são espécies de outro planeta, são raras, magníficas, movem as nossas vidas e sem elas não iríamos viver e nem mesmo existir.Alguém pode viver por 100 anos, passar por várias experiências na vida e mesmo assim, não conseguirá entender por completo as mulheres. Cada par de seios, coxas bem desenhadas, sorrisos e abraços calorosos, é um mundo inexplorado que nem mesmo o mais renomado cientista iria entender.Mulheres, por que tão complicadas? Se você é carinhoso demais elas reclamam, se  é frio elas também reclamam e se você é meio termo, bom, você é comum. Mesmo com tudo isso, quem aqui não aprecia uma mulher? Acho que até mesmo as mulheres héteros apreciam outras mulheres. Sigo essa vida sem entende-las mas não saberia seguir sem elas. Mulheres....


Ana C.


07 maio 2012

Yin e Yang.


Do alto do prédio eu conseguia observar quase toda a cidade. Gostava daquele canto porque era calmo, podia acender um cigarro e pensar sobre a vida. Ultimamente, essa era a minha rotina desde que Marcela se foi.
Lá embaixo a vida acontecia e aqui em cima eu apenas deixava a minha acabar. Minha mãe quando me telefonava dizia que eu estava jogando a minha juventude no lixo. Ela está certa, mas eu simplesmente não sei lidar com o fim de um relacionamento.
O meu namoro com a Marcela já não estava bem. Discutíamos mais do que conversávamos, estávamos em guerra constante. No final, ela se cansou do meu pessimismo e eu da mania dela de colocar Deus no meio de tudo.
Meus amigos sempre me falavam que eu e ela éramos Yin e Yang, mas acho que até o taoismo se cansou de nós. Agora estamos separados por um Deus, chineses e um pessimismo que transforma ‘’ O morro dos ventos uivantes ‘’ num livro alegre.
Marcela agora arrumou um novo amor. O cara é um sociólogo, gaúcho e morador de Ipanema. Confesso que ele não combina com ela mas acredito que uma cobertura na Vieira Souto resolva todas as imperfeições ou pelo menos as esconda.
Eu não arrumei ninguém até agora. Passo noites em claro- o fim desse laço afetivo me causou insônia- aqui no telhado do meu prédio no Maracanã. Todas as noites são iguais, analiso todos os meus relacionamentos e tento entender o motivo que levou ao fim.
Nesta noite, as pessoas estão lá fora a procura de um novo/velho amor ou apenas sexo casual. Enquanto eu estou em busca de um novo motivo para viver. Esse meu pessimismo transforma o Caio F. Abreu num comediante. Preciso de mais cigarro.

Nota do autor: essa história é mais do mesmo, mas não é tão batida quanto tatuar o símbolo de infinito no pulso.


Ana C.

25 abril 2012

Lapa


Sete horas da manhã, o som do despertador começou a ecoar pelo quarto escuro. Minha vontade foi a de acertar o infeliz, acabar com aquele barulho irritante e voltar a dormir, afinal, eu tinha ido me deitar às cinco horas da manhã.
Retirei forças da onde achava não ser mais possível e me levantei da cama. No primeiro momento não reconheci a dor latejante que vinha das minhas costelas, mas logo me recordei da briga de ontem no bar. O que a minha mãe diria de mim? Vinte e sete anos, cronista falido, alcoólatra, solteiro, morando de aluguel e vivendo na boemia da Lapa.
Pois é, esse sou eu. Bebi tanta tequila ontem que nem lembro como começou a briga. Quando tento relembrar de ontem à noite, apenas alguns flashs me vêm à mente e não consigo coloca-los em ordem cronológica. Que seja.
Coloco um café para esquentar, acendo um cigarro e vou andando em direção a janela para observar a rua. Lá fora, a vida acorda e o sol vem para limpar as ruas da sujeira noturna. Eu, como não tenho nada para fazer ( vagabundo), irei aproveitar o meu café e, mais tarde, descer para comprar mais cigarros.

21 abril 2012

Ahhhhhhhh o sábado...


Legal é quando você acorda num sábado de manhã e não sabe o que vai fazer pelo resto do dia. Pior ainda é quando você não sabe o que vai fazer no feriado. O tédio me domina, quero sair de casa mas não sei para onde ir. Para piorar ainda mais a situação eu descobri que nesses 20 anos de vida eu quase não tenho histórias para contar e também estou sem paciência para terminar esse texto. É isso ai.

Fucking Life.

Ana C.

01 abril 2012

Texto para o blog...

O que o meu cérebro responde quando eu tento escrever um texto para o blog: .........

Pois é, fucking life.

Ana C.

29 março 2012

Café

De lá para cá, daqui para lá e assim a vida segue. O ponteiro do relógio gira... gira... gira... E eu nem vejo o tempo passar. Quando percebo, já está no final da semana e sempre digo: Caramba, já é sexta-feira.
Vejo pessoas apressadas, passos largos na calçada, smartphones numa mão, na outra o dedo indicador faz sinal para o taxi e a cabeça está coberta por pensamentos estressantes que acabam fazendo com que o bom dia do taxista fique inaudível.
Século XXI, a era do estresse. Vivemos sob constante pressão: passar no vestibular, se formar na faculdade e arrumar um bom emprego que lhe proporcione uma vida confortável... A que escuto isso?
Vou desacelerar o meu ritmo, tomar uma xícara de café e ler um livro que fale sobre o amor.
Ana C

12 março 2012

Crônicas do Metrô RJ

Acordar de manhã, tomar café, sair de casa e... Chega a hora triste do dia: encarar o metrô. Não é preciso ser um usuário assíduo para saber que o transporte público no Rio de Janeiro anda mais na merda que paulista nadando no Tietê. Os brasileiros são conhecidos pela política do ‘’tudo se da um jeitinho’’, vivemos a base de gambiarras rotineiras. No metrô não é diferente disso.

Vamos lá, vou descrever para vocês como é utilizar o metrô às 6 horas da manhã:

1- Você mal chega na estação e já enfrenta fila na bilheteria. Não sei o porquê, mas o funcionário da bilheteria faz questão de trabalhar lentamente. Se ele está com sono, eu estou mais ainda. Ainda tem aquelas pessoas que ao invés de conferir o troco ao lado da cabine, ela faz questão de empacar a fila, conta moeda por moeda mais lentamente do que o cara da bilheteria e ainda tem a cara de pau de guardar o dinheiro na frente do caixa. No metrô deveria ter uma placa assim: Animal, por favor: confira o seu troco fora da fila.

2- Depois de passar por esse ‘’pequeno’’ problema na bilheteria, você chega na estação e sabe o que encontra? Uma estação lotada. Parece que jogaram veneno no formigueiro

3- Um pequeno conselho: não fique parado na ponta da estação. Só se você for o super choque ou o Wolverine, se você não for um desses, vai virar churrasco antes que o final de semana chegue. Eu digo isso porque tem sempre aquela pessoa que fica na ponta da estação e por um erro do destino alguém pode esbarrar nele e esse individuo virar carne seca nos trilhos e ainda por cima atrasar todo mundo que tem que ir trabalhar ou estudar. Então meu amigo, respeite A PORRA DA FAIXA AMARELA, GRATA;). Se você quiser cometer suicídio a UERJ está disponível para isso

4- Depois que você consegue embarcar no trem e acha que os seus problemas acabaram e que você vai seguir a sua viagem feliz.... Você está enganado. No vagão, você precisa enfrentar um mar de gente para entrar e ainda torce para conseguir segurar no ferro, afinal, você não está na corda do caranguejo da Claudia Leitte para ficar de um lado para o outro no vagão. Sim, lá tem gente feia, fedida mas não é uma Micareta. Outra coisa que eu não entendo: Por que as pessoas não tomam banho de manhã? É o principal que todos deveriam fazer, tem gente que pensa que é o ninguém José do Los Hermanos e acordam já deitados #piadafail. Ah, esquece a ideia de tentar ir sentado. Você não vai conseguir.

5- Uma dica: fique sempre do lado da porta que abre menos frequência.

6- Se você for uma mulher: não entre no vagão das mulheres... Vai por mim, a não ser que você queira chegar em casa com dor de cabeça provocada pela falação delas.

Não tenho mais o que falar sobre o metrô. De repente eu apareça com mais dicas por ai.

Ana C.

25 fevereiro 2012

Diário do exílio.

Passei um tempo em exílio e posso afirmar que foram os melhores dias da minha vida. Essa palavra dependendo do contexto pode significar algo ruim, mas no meu caso não. Andava sem paciência para redes sociais e resolvi me afastar de tudo. Mantive contato apenas com pessoas importantes para mim e dediquei o período carnavalesco para uma autoanálise. Enquanto as pessoas sambavam pelas ruas eu estava no meu quarto exorcizando os demônios internos.

Descobri que às vezes é preciso tirar a poeira dos cantos, arrumar os objetos e jogar fora o que não faz mais sentido para poder começar uma nova jornada. Isso ficou clichê, mas foi o que eu descobri nesse tempo de exílio- que por sinal ainda não acabou. Comecei a fazer coisas que eu nem imaginava que poderia executar um dia, elimine o estresse constante que me perseguia e descobri que MSN e Facebook não são importantes- acredite... Você pode viver sem eles.

As pessoas estavam tomando todo o meu tempo querendo despejar os seus problemas em cima de mim como se eu pudesse resolvê-los, sendo ignorantes/escrotos sem uma real necessidade, me procurando por sms, facebook, chamando atenção no MSN quando eu demorava a responder e quando eu percebi, estava estressada e sem tempo para fazer as coisas que realmente me faziam bem. Essa parte pareceu egoísta, mas eu tenho como me defender: todo mundo sabe que às vezes é necessário ficar sozinho. Eu estava a ponto de enlouquecer.

Ainda não voltei por completo para a minha antiga vida social e para ser sincera nem sei se eu quero. Estou um pouco away por enquanto, mas uma hora será preciso voltar.

Ana C.



12 fevereiro 2012

Nada para dizer

Ultimamente eu ando sem nada para escrever/ dizer.... Então, para o blog não ficar desatualizado eu deixo vocês com essa música da Legião Urbana:

'' VÍDEO CENSURADO PELA ECAD''


Ana C.

21 janeiro 2012

Quanto tempo dura o amor?

Depois de assistir ''Blue Valentine'' eu me fiz essa pergunta. Nada melhor do que começar filosofar às 06h 13. Eu não tenho a resposta para essa pergunta mas posso dizer algumas coisas que essa vida bandida já me ensinou. Acredito que o ser humano seja capaz de ter vários amores ao longo da sua existência. É claro, sempre irá existir aquela pessoa que mesmo depois de ter saído da sua vida você irá considera-lá importante ou em alguns casos até mesmo ainda amá-la.
Os relacionamentos funcionam igual o ciclo da vida: possuem começo, meio e fim. Sim, o seu namorado(a) atual pode não ser a pessoa que vai ficar com você o resto da vida. Sigo a filosofia de que existe o amor certo, a pessoa certa, o relacionamento ideal para determinado momento da sua vida. Existem as exceções- é claro- são aquelas pessoas que passam a vida inteira com um único amor e isso é assunto para outro post.
Os relacionamentos são assim: no começo tudo são flores... A ida ao cinema, ao restaurante, risadas, faces coradas de vergonha, conhecer a família dele(a), a perfeita sintonia que você consegue sentir estando perto da pessoa, aquela sensação de que dessa vez vai dar certo e vocês irão ficar unidos até a morte( ou depois da morte dependendo da sua religião)... Ai as brigas começam a aparecer, atritos as vezes necessários para a manutenção da relação. Depois de um tempo parece que a pessoa não combina mais com você, fica aquela solidão a dois e o sentimento não é o mesmo. Ela te liga e você já não atende com a mesma excitação de antes, o sexo não é a mesma coisa e até mesmo o beijo muda.... O que fazer nesses momentos? Eu não sei, cada um possui uma reação mas pode ser que o amor tenha acabado e a pessoa não se encaixa mais na sua vida.
No começo é difícil aceitar isso porque você pensou que fosse ficar pra sempre com aquele amor, pensou no casamento, planejou ter filhos, ter uma casa de praia ou numa montanha de um país nórdico qualquer, pensou que aquela pessoa iria somar na sua vida até o fim, mas, essa é a sua vida e não um filme. Abandone o barco, procure o bar mais próximo e fique de porre, chame alguns amigos, fale mal da vadia(vadio), faça um sexo casual com alguém... Irá chegar uma hora que outra pessoa vai ocupar o lugar da anterior e você sentirá amor por ela também, de uma forma diferente é claro.
Você terá vários amores na sua vida mas isso não significa que você não seja capaz de amar. Ter vários amores significa que você é uma metamorfose ambulante como diria Raul Seixas e isso é bom, excelente. O amor tem prazo de validade e quando você aceitar isso a sua vida irá melhorar, mas não use isso como desculpa para não amar. Pelo contrário, se apaixone, ame, ria, sofra, se apegue e desapegue... No final você terá boas histórias para contar.

Ana C.


14 janeiro 2012

Estou de saco cheio...


Esse é mais um post para a sessão '' Crise dos 20''. Hoje eu resolvi fazer uma lista com as coisas que eu já estou de saco cheio. Ficou assim:

Eu estou de saco cheio de:

1- Documentos de faculdade
2- Acordar cedo para resolver problemas
3- Aumentos de 25%
4- Qual meme você é? Acredite, essa porra não faz o menor sentido.
5- Compartilhamentos no Facebook
6-Do calor que está fazendo no Rio de Janeiro
7- Indiretas no Facebook
8-Pessoas que banalizam o sentido da palavra amizade e todo mundo já vira amigo delas em menos de uma semana. Acho que amizade é muito maior do que isso.
9- Religiosos no Facebook compartilhando coisas sobre Jesus. Se você tem Jesus no coração, então faça alguma coisa de útil para a humanidade. Sei lá, vai doar cesta básica.
10- Pessoas que não sabem valorizar as coisas que possuem e só dão valor para aquilo que não tem.
11- Pessoas que não abraçam.
12- Pessoas que só sabem apontar o erros dos outros e não percebem que fazem as mesmas coisas.
13- Pessoas que ficam criticando a personalidade de outra.
14- Metrô cheio.
15- Da minha vizinha que só escuta música de baixa qualidade. Calma ai, acho que aquilo não pode ser considerado música.
16- Moralismo em excesso.
17- Preconceito em excesso.
18- Solicitação de jogos no Facebook.
19- Nerds que querem bancar os fodões na internet porque na vida real são fracassados.
20- Pessoas que param de falar com você do nada e escrevem '' DENOVO'' e '' CAGANU''

Foda-se tudo.
Ana C.

06 janeiro 2012

I'm a lonely boy

Em uma tarde quente do mês de Janeiro resolvi relembrar o meu passado. O ócio talvez tenha provocado essa vontade repentina em mim, vai saber. De repente, estava presa em um turbilhão de lembranças que eu não pude conter. Parecia um filme da minha vida.
Descobri que algumas pessoas que passaram por mim nesses 20 anos de estrada parecem que são personagens. São muitas pessoas para lembrar e algumas é até bom não lembrar mesmo.
Não sou uma pessoa religiosa mas acredito que algumas pessoas possuem validade. As vezes, alguém só é válido em determinada época da nossa vida, depois parece que a pessoa não se encaixa mais e os atritos começam a aparecer e são iniciados por coisas banais. Você pode até tentar resolver na primeira vez mas sempre existirão outros atritos, é como uma bola de neve. Olhar para a pessoa acaba virando um sacrifício, você começa a omitir alguns fatos da sua vida para ela, se afasta, passa a falar pouco até que chega o momento que você não fala mais com a pessoa e acaba esquecendo da existência dela. Isso é uma prova de que a validade dela na sua vida acabou, o melhor é terminar com boas lembranças do que ficar com aquele ''gosto azedo no paladar'', não aguentar escutar o nome da pessoa e guarda-la como uma lembrança ruim.
Nesses momentos que você senta no sofá e começa a relembrar do passado, é bom ressuscitar apenas boas lembranças. É arriscado relembrar de momentos difíceis porque eles podem despertar demônios adormecidos dentro de você.

Acho que falei demais. Até a próxima.

Ana C

02 janeiro 2012

Ah.... 2012.

O início do ano é sempre assim: criamos expectativas, planejamos metas e fazemos promessas. Alguns são adeptos de pular sete ondas no mar, outros apenas agradecem e uma minoria ignora a virada do ano.
Confesso que eu ficava mais animada com isso tudo quando eu era mais nova, agora isso não me afeta tanto. É claro que eu espero coisas boas de 2012 mas esse ano eu decidi deixar a vida me levar.
Você pode dizer: Ana, como assim você não espera nada de 2012? É fácil, sabe aquela dieta que você prometeu começar em Janeiro? Então, você não vai fazer isso. Você vai frequentar 1/2 semanas de academia e vai dizer que isso não é para você, que você não está tão gordo e por ai vai. Desculpa é fácil de arrumar. Inicie a dieta ao invés de prometer ou escrever isso no seu quadro de objetivos para 2012. Eu usei o exemplo da dieta porque é o mais comum. A maioria faz isso.
Se eu fosse criar uma meta para 2012 ela seria: mais diversão e amigos. Apenas isso.
Esse foi o primeiro post do ano. É isso ai. Bom 2012 para vocês.

Ana C.