17 dezembro 2012

Diálogo entre duas dadaístas


Sobrevivente 1: Quando você sente que seu mundo ta caindo, o que você faz? O que você faz quando acha que agora todo mundo mente?

Sobrevivente 2: Me isolo.

Sobrevivente 1: E para passar a dor?

Sobrevivente 2: Não tem como passar a dor. Mas se você faz coisas que gosta com quem gosta ameniza.

Sobrevivente 1: Se o mundo acabar dia 21 eu nem iria ligar. Resolveria tudo.

Sobrevivente 2: Eu tava pensando assim também. Se o mundo não acabar eu vou ter mais problemas.

Sobrevivente 1: E vai rolando, rolando, a bola de neve vem vindo e derrubando tudo pelo caminho. No final acaba em explosão de fogos. Dadaísmo as avessas.

Sobrevivente 2: O mundo podia rachar.

Sobrevivente 1: Imagina? Cada um para um lado. Tudo dividido. Espero que o povo filha da puta fique do outro lado e do meu lado só fique quem eu gosto.

Sobrevivente 2: Só que não né? Todo mundo iria cair num buraco de lava vulcânica e queimar

Sobrevivente 1: Ai eu poderia plantar algodão doce porque plantei amor e colhi tristeza. Vai entender.

Sobrevivente 2:E aquele lance de colher o que plantamos?

Sobrevivente 1: Não sei onde fica. Acho que vou viver até os 27 anos se o mundo não acabar. Com 27 eu desço do mundo.

Sobrevivente 2: Não adianta você ser bom, ninguém se importa. Sempre o outro vai ter a chance e você nunca.

Sobrevivente 1:Traz a cerveja. Beber cura as dores por um tempo. Acho que vou passar o tempo todo bêbada.

Sobrevivente 2: Se o inferno é você ficar presa num lugar todo branco com todas as coisas/pessoas/situações que você evitou encarar durante a vida? E só sai de lá quando resolver tudo. Imagina! É tipo ficar preso com todos os seus fantasmas, tudo o que doí. Será que o inferno é isso? Eu teria medo.

Sobrevivente 1: Não sei. Acho que o inferno é onde nós vivemos. Por mim pode tudo virar bosta. Tudo. Vão dizer que nossa conversa é pessimista.

Sobrevivente 2: Sim, todos só dizem que eu sou pessimista ultimamente.

Sobrevivente 1: O problema é que as pessoas vivem na ilusão. Nós encaramos a realidade de frente. Tem que ter coragem para isso. Podem dizer que eu enlouqueci. Eu não enlouqueci, eu plantei amor e colhi dor, simples assim. Antes tivesse plantado maconha.

Sobrevivente 2:Agora além de maconha você estaria rica porque maconha ta cara a beça.

Sobrevivente 1: E anestesiada.

Soltaram a velha risada dadaísta e continuaram o caminho.


Ana C e sobreviventes.

Para ler escutando:

Um comentário:

Célio Falconiere disse...

hahaha muito bom, Parece até diálogo nosso!