23 maio 2013

Once upon a time


Caindo pela eternidade
Essa é a minha essência
Cair para depois reconstruir ou apenas construir
Vivendo o mito do herói que encara a verdade
Desconstrói sua realidade
Aceita o seu fardo
Vai a luta 
E quem sabe, no final, vença
Caindo, sem saber quando irá beijar o chão
Sem sentir a pressão em cima da face
Ou seu corpo se chocando com algo duro, inflexível, indestrutível 
Caindo em forma de notas músicas
Caindo com harmonias
Olha lá, acaba de sair um Si Bemol do bolso
Caindo, sem direção
Sem medo
Sem rumo

Ana C.
Para ler escutando:

12 maio 2013

Toca aquela dos Rolling Stones

Devo ter desenvolvido algum tipo de psicopatia ultimamente porque ando com vontade de cortar algumas cabeças por ai. Num belo dia acordei e percebi que estou cercada de pessoas babacas, egocêntricas, mimadas,  sem educação, frias, ignorantes e por ai vai a interminável lista de '' Por que matar toda a humanidade''. Quando toda a rotina te cansa e você não tem mais onde segurar e simplesmente quer mandar tudo para a puta que pariu, Nietzsche é uma boa opção nesse momento. Não entendo essas pessoas que vivem sempre a mesma vida, presas dentro dos escritórios e trabalhando como se fossem macacos treinados da NASA. Esse tipo de gente costuma deixar todos os sonhos de lado, a criatividade, a inteligência humana e aceitam qualquer porra medíocre que a vida possa oferecer.  Essas mesmas pessoas gastam fortunas consumindo coisas que elas nem precisam usar ou necessitam para viver. Simplesmente não entendo. Se eu vivesse na época dos Jacobinos, seriam poucas as pessoas que eu não mandaria para a guilhotina. Acho que eu estou saturada dos seres humanos e suas baboseiras.

Ana C.
Para ler escutando:




Image and video hosting by TinyPic