31 agosto 2013

Pastor João e a igreja invisível



  Colocou o caixote suavemente no chão, ajeitou a roupa surrada, mexeu no cabelo, pigarreou para limpar a garganta e deu início a mais um discurso. Sempre começava com:

- Amigos, Jesus está voltando e eu sou o seu porta voz. Deixem a vida pecaminosa para trás e venham em direção a luz da salvação. Aqueles que acreditarem em minha palavras, serão glorificados pelo Messias e terão uma vida próspera.

  Como era de costume, nos povoados pobres as pessoas se aglomeravam rapidamente ao seu redor. Nesse, não seria diferente. Os pobres são mais fáceis de serem ludibriados. O pastor descobriu esse fato e passou a usa-lo a seu favor.
Os humildes tentam de tudo para sobreviverem e melhorarem de vida, inclusive, começam a acreditar  em um falso Deus que é pai e padrasto. A fé cega se instala nesse momento, quando deixamos a racionalidade de lado e somos levados pelo efeito manada.
Aquele líder em cima do caixote sabia de tudo isso, mas ao contrário dos outros pobres, ele não esperou esse tal Deus aparece, trilhou o seu caminho por conta própria e usou o nome do tal '' Deus'' em seu favor.     Ele não sabia se Deus realmente existia, se iria para o Céu ou Inferno. Mas aquelas almas perdidas, desesperadas e cegas que estavam na sua frente, precisavam de um pastor para guia-las. Para onde? nem ele sabia, mas estava lucrando com aquelas almas sem lar.
  O sucesso de sua existência estava ligado ao exercício da fé em conjunto com o charlatanismo. Prometia transformar pau em pedra, chão em céu e cuspe em mel. Também vendia uma água benta milagrosa que na verdade era apenas água proveniente da bica.
  Após algum tempo, o seu caixote transformou-se num grande palco e o seu discurso começou a alcançar mais almas desesperadas para livrar-se do pecado e das perturbações demoníacas. A cada nova pregação, o número de fiéis  aumentava em progressão com o saldo de sua conta bancária.
  No final, aquele homem pobre de roupas sujas tornou-se esse tipo de pastor que faz chapinha no cabelo, prega discurso de ódio por ai e namora um negão( ativo sexualmente) apelidado de Jurandi. Mas, se alguém o abordar sobre o " Juju", ele nega tudo  dizendo que ele é apenas o seu motorista e que sexo anal é pecado porque Deus fez o homem para a mulher, o pênis apenas para a vagina.
  Atualmente, o pastor chuta imagem de santas símbolos do catolicismo e persegue humoristas. Bom amigos, esse é um grande exemplo de empreendedorismo e comercialização da fé. Se nada mais der certo, monte uma igreja, invente umas mentiras sobre um tal Jesus e você será capaz de mover montanhas ou apenas transferir dinheiro sujo para a sua conta na Suíça. 

Ana C. 

Para ler escutando:


Texto baseado na música " Pastor João e a igreja invisível- Raul Seixas'' 

24 agosto 2013

A regência verbal

Até onde se estende a verdade e quando ela se torna uma mentira?
Ambas se esbarram na hora da dança
No eterno ir e vir de dizeres.

Ana C.


08 agosto 2013

Excelsior...

Excelsior é queimar tudo que não lhe serve mais
Fechar portas que só trazem dor 
É renovar a vida
Excelsior pode ser usado quando você está no limite
Recebendo a visita de um espírito obsessor
Que te faz querer ser mais violento do que o Machete
Mais vingativo que a Emily do Revenge
Excelsior é a luz no fim do túnel para os desesperados
A última carga de energia que a vida pede
Dizer excelsior é aceitar que existem pessoas ruins no mundo
Seres humanos que irão te destruir e que só levam dor e caos por onde passam
Excelsior é a fé dos ateus 
A dança dos inocentes 
Excelsior é o foda-se preso que você queria soltar
Quer saber de uma coisa? Excelsior

Ana C.
Para ler escutando: o som do universo.